Crônicas / O japonês bom de bola que jogou na seleção de Maringá

     A maior paixão de Mario Shinnai sempre foi o futebol. Por mais que houvesse o desencorajamento e as broncas do pai Yoshinari e da mãe Tsuriko, ele não desistiu. Por mais raro que fosse descendente de japoneses se destacar nesse esporte, com exceção dos que atuavam no gol, China, apelido ganho na infância, não desanimou, continuou a jogar futebol de campo e futebol de salão.

     Nos anos 70, época de ouro do futsal maringaense, quando era grande a concorrência para conseguir uma vaga no selecionado da cidade, China chegou a ser convocado para defender Maringá ao lado de Custódio, Miroca, Zezé, Clodemir, Martizinho, entre outros craques. Além da seleção de Maringá, jogou em equipes da Acema, Yamaguchi, Organtel, Norpa e Rolândia Nikkey. Boas lembranças daqueles tempos no campo de jogo. Algumas bem dolorosas. Como numa dividida com o goleiro adversário, Mário Hossokawa, vereador maringaense, do time do Auto Vidros Saveiro. Resultado: perna fraturada e um ano longe da bola.

     Nascido em Itapetininga em 1950, a família veio para Maringá em 1955 porque seu pai entrou numa sociedade com parentes na compra de uma fazenda para a plantação de tomates. Um destes parentes era o irmão Suehiro, já falecido, que residia na avenida Mauá, quase na esquina com a avenida São Paulo, onde China chegou a morar por uns tempos, e que comercializava hortifrutigranjeiros e os filhos seguiram neste ramo de atividade.

     Com os pais e os irmãos Fred e Jorge, China morou na rua Luiz Gama, Zona Quatro, onde se tornou vizinho de Clodemir Carniel, o Clodô, nome famoso do futebol amador de Maringá. Estudante do Colégio Marista onde concluiu o primário e o ginásio, a maior lembrança daquela época foi o time mirim do Padre Aristides: volante titular dos 7 aos 11 anos de idade. No Colégio Dr. Gastão Vidigal fez o curso científico e em Curitiba tentou o vestibular em Agronomia em 1969, mas não foi aprovado.

     De Curitiba, apesar da reprovação, as recordações daquele anos são ótimas. Fez o serviço militar na capital paranaense e integrou a seleção da sua corporação na disputa do Campeonato Brasileiro do Exército. Naquele ano, chegou a treinar no Água Verde, time extinto que se fundiu a outros e daí surgiu o Paraná Clube. O pai o chamou de volta.

     No retorno a Maringá, China passou no vestibular da UEM (Universidade Estadual de Maringá) no curso de administração de empresas. Não concluiu, mas seguiu na contabilidade, trabalhando na empresa Organtel por seis anos e na Yamaguchi por doze. China aponta o crescimento da Cocamar, cooperativa criada em 1963, como responsável pelo enfraquecimento e o fechamento de várias empresas algodoeiras instaladas em Maringá, como a Sanbra (Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileira), Esteves, Sul Brasil, Óleos Nata, Norpa, entre outras.  

   Naviraí, no Mato Grosso do Sul, foi o próximo destino de China, em 1981. A ida para o Japão com a esposa Nedir aconteceu em 1996. Lá trabalhou com solda por 14 anos, na Toyota. A volta em definitivo aconteceu em 2016. Mesmo tendo vindo várias vezes a Maringá a passeio durante os vinte anos em que viveu no Japão, diz que é mais difícil se readaptar no Brasil do que se adaptar lá.

     Pai de seis filhos e dois netos, China não lamenta quase nada da vida. Só o fato de não poder mais exercitar sua paixão pela bola, pois teve que pôr uma prótese no joelho. Aposentado, dá um sorriso quando se lembra do pai, o investigador de polícia Yoshinari Shinnai, falecido em 2011, bastante enérgico, que queria proibi-lo de jogar bola. “Ele era muito bravo, não me deixava jogar, mas, para não dar o braço a torcer, via jogo meu escondido, e não foi uma vez só, não”, comenta, em meio a uma gargalhada.     

(Crônica de Antonio Roberto de Paula originariamente publicada no livro “Maringá 70 anos – a cidade contada pelos que viveram sua história”, editado pela Unicesumar, tendo como autores Antonio Roberto de Paula, Dirceu Herrero Gomes, Miguel Fernando Perez Silva e Rogério Recco, 2017, 2018) 

#museuesportivodemaringa #amigosdomuseuesportivo  

 

Galeria de Fotos

Veja Também

Alcides Siqueira Gomes, um dos primeiros a jogar futebol de salão em Maringá

   Alcides Siqueira Gomes fala sobre todos os assuntos relacionados a Maringá com veemência e autoridade de quem nasceu na cidade no dia 1º de janeiro de 1947. Sobre comércio, religião, futebol, educação, política e administração municipal e seus respectivos personagens e fatos marcantes, inclusive do avião que caiu no centro da cidade em 1957. A memória de Alcides corre para busca

A culpa foi do Miltão (A entrada de Verdelírio Barbosa na imprensa)

Verdelírio Barbosa começou a escrever em 1959 num jornal chamado O Diário de Maringá, de propriedade de João Antonio Corrêa Júnior, o Zitão, jornalista e escritor já falecido. O jornal, homônimo daquele que viria a ser lançado em 1974, era diário só no nome. Em dificuldades financeiras, circulava uma vez por semana, às vezes nem isso.

A entrada no jornalismo aconteceu depois que Verd

Setembro Amarelo

Nosso amigo Anderson Masson, artista gráfico, criou uma peça especialmente para o Museu Esportivo de Maringá do "Setembro Amarelo" - campanha brasileira de prevenção ao suicídio. Ajude-nos a divulgar. Compartilhe com seus amigos.

#museuesportivodemaringa #amigosdomuseuesportivo

Assim começou o albergue (A. A. de Assis)

Meados de 1958. Manoel Tavares (diretor de “A Tribuna de Maringá”), parou diante de minha casa montado numa motocicleta e armado de máquina fotográfica. Pediu-me que subisse à garupa e o acompanhasse numa visita sem aviso prévio a uma instituição então conhecida como “albergue noturno”, que funcionava em Maringá por conta de um órgão do estado, o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital