Últimas Publicações / A história do Clube Atlético Ferroviário, de Curitiba

Texto de Paulo Roberto Grani.

Foto do estádio Durival de Birto e Silva, em 1947, da coleção de Cid Destefani.

O futebol brasileiro deu seus primeiros passos ao lado das ferrovias. Em cada estação [de trem] tinha um campo de futebol, que era praticado pelos operários das ferrovias.

As ferrovias tinham uma importância social gigantesca. Por meio delas, o desenvolvimento chegava ao interior do Brasil e, de carona, o futebol ia se expandido junto com as linhas férreas. Brasileiros que eram contratados pelas companhias europeias começaram a se interessar pelo esporte. Com a expansão do futebol, incontáveis clubes eram formados a partir dos jogos disputados pelos ferroviários.

O mais antigo deles surgiu em 1900 – cinco anos depois de Charles Miller rolar a pelota no país. O Sport Club Rio Grande conseguiu seu primeiro estádio graças a um empréstimo da companhia ferroviária Compagnie Auxiliare de Chemins de Fer du Brésil. Inúmeros clubes tiveram como berço as ferrovias e os ferroviários. Afloraram times com o nome “Ferroviário” em quase todos os estados.

No Paraná, dos times mais representativos surgidos a partir do trilho férreo, merece destaque o Clube Atlético Ferroviário, fundado em Curitiba, em 12 de janeiro de 1930, na residência do ferroviário Ludovico Brandalise, após a cisão ocorrida no Britânia Sport Club.

Num primeiro momento, o Ferroviário surgiu para congregar os funcionários e os operários da Rede, disputando apenas campeonatos amadores. Ao levar para as suas fileiras os principais jogadores do Britânia, o Clube Atlético Ferroviário começou a decolar como time competitivo e, sobretudo, como força popular do futebol da capital paranaense.

Tornou-se oito vezes campeão de profissionais. Nos anos 40, o Ferroviário construiu o mais moderno estádio de futebol do Paraná, o Durival Britto e Silva, considerado à época o melhor estádio do país depois de Maracanã e Pacaembu, tanto que sediou duas partidas da Copa do Mundo de 1950 – Estados Unidos x Espanha e Suécia x Paraguai. Além disso, o clube foi o primeiro representante paranaense no Torneio Roberto Gomes Pedrosa, em 1967, competição que reunia os grandes times de Rio de Janeiro e São Paulo e que foi embrião do atual Campeonato Brasileiro.

Atualmente, o Ferroviário se chama Paraná Clube devido a sua fusão com o Britânia S.C. e com o Palestra Itália F.C. que, em 29 de junho de 1971, se fundiram formando o Colorado Esporte Clube. Em 1989 o Colorado uniu-se com o Esporte Clube Pinheiros, e dessa fusão surgiu o Paraná Clube.

No interior do Paraná, teve 'Ferroviário' na Lapa, em Londrina e teve um em Antonina. Além destes, destacam-se o Clube Atlético Ferroviário, de Morretes, o Ferroviário Esporte Clube, de Wenceslau Braz, e o Esporte Clube Recreativo Ferroviário, de Jaguariaíva, além do Ferroviário Esporte Clube, de União da Vitória. Em Ponta Grossa, surgiu Operário Ferroviário que mantém-se na ativa e disputa a 1.ª divisão do certame estadual.

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Tiago Valenciano doa coleção da "A História do Futebol Brasileiro"

O amigo Tiago Valenciano, professor de sociologia e membro da Academia de Letras de Maringá, segue colaborando com o Museu Esportivo de Maringá. Desta vez, ele doou ao MEM a coleção de 4 volumes da "A História do Futebol Brasileiro", publicação de 1968 da Edibras - Editora Documenta&ccedi

Uma história de 46 anos registrada no jornal Folha do Norte do Paraná

Aldi César Mertz levou um exemplar de 1973 da Folha do Norte do Paraná na Galinhada promovida prlo MEM e LFSM, dia 10 de julho, na sede campestre do Sindicato dos Bancários de Maringá. No jornal, o registro da vitória do time de futsal do Bamerindus de Maringá em amistoso contra o Nacional do Uruguai por 3 a 2. Ele e Osvaldo Luiz Patrão jogavam naquele time do Zé do Chapéu. Na foto: De Paula, Rui Mertz, Roderley, Aldi, Patrã

Paulo Roberto Falcão

Reginaldo Benedito Dias fala de Falcão: "Em 1975, Pelé foi indagado sobre quem seria seu sucessor. Sem ser conclusivo, indicou que Falcão era um jogador completo. Muito jovem, era a mais rútila estrela do grande Internacional bicampeão. Injustiçado na convocação para a Copa de 1978, continuou a brilhar, liderando o Internacional na conquista invicta do campeonato brasileiro de 1979. Comprado pela Roma na condição de pr

Jeferson Nunes doa ao MEM três exemplares do seu livro "Mosca no cérebro"

O escritor Jeferson Nunes, membro da Academia de Letras de Maringá, doou três exemplares de seu livro “Mosca no cérebro”, lançado recentemente, ao Museu Esportivo de Maringá. Jeferson, amigo dos diretores do MEM, Antonio Roberto de Paula e Simone Labegalini, é um dos grandes incentivadores do projeto de resgate da memória esportiva da cidade, tendo comparecido às exposições itinerantes e à sede do Museu no

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital