Crônicas / Um gol de placa em Atalaia-PR no ano de 1974

O amigo do Museu Esportivo de Maringá, Jair Carvalho, que todos conhecem como Golê, meio-campista que, mesmo aos 64 anos, continua batendo muito bem na redondinha, atuando nos campeonatos do Clube Olímpico de Maringá e defendendo as cores da equipe veteraníssima do Museu Esportivo de Maringá, fez um gol-relâmpago, em 1974, aos 18 anos, quando jogava na equipe amadora do time da cidade de Atalaia, 53 quilômetros de Maringá.

Ele já havia me contado esta história, mas o tempo passou e nem me lembrava mais. Na terça-feira, dia 19 de maio de 2020, ele me mandou uma mensagem: 'Bom dia parceiro! Lembra que falei pra você de um gol inédito que fiz. Vou te passar um áudio que me mandaram ontem, e você, agora, pode divulgar com segurança'. Acho que o Golê pensou que eu não tinha acreditado.

Aí, fui ouvir o depoimento que o amigo do Golê, o Mazinho, gravou do Márcio, morador em Atalaia, que era gandula daquele jogo realizado naquela cidade entre a equipe da casa e o Presidente Castelo Branco, goleada de 5 a 1 para o Atalaia, dois gols do Golê, o relâmpago na saída de bola para o início do segundo tempo.

Vamos a transcrição do áudio do Márcio. Inicialmente, o Mazinho faz a apresentação: 'Golê, boa noite. Estou aqui com o Márcio de Atalaia, ele vai narrar um gol histórico que você fez lá: é, eu tinha 11 anos, tava colocando a cruzinha na rede, atrás do gol do Castelo Branco, não lembro o nome do goleiro, era um cabeludinho, cabelo enroladinho. Aí o Atalaia soltou a bola e o Golê, do meio do campo, meteu a bola por cobertura, fez o gol. Eu lembro que o goleiro disse na época: essa não tava no gibi. Falou com essas palavras. Eu não lembro o nome dele. Só lembro que ele era parecido com o Popinho de Floraí, não sei se era o Popinho, acredito que não. Uma vez o Golê disse pra mim: eu conto pra todo mundo e ninguém acredita.'

Depois da voz de Márcio, entra o Mazinho: 'Aí Golê, um fã seu, agora tá registrado, pode contar este gol aí. Golê até hoje bate bem na bola'. Entra o Márcio: 'Ele tinha aquela jogada do Zé Sérgio: cortava pra dentro e pá'. E Mazinho finaliza: 'É isso aí, grande abraço pra você, meu amigo.' Golê agradeceu a lembrança e enviou mensagem para o Mazinho: 'Boa noite! Mazinho, onde encontrou o Márcio? Foi o gol mais rápido do mundo na época, é uma pena que não foi filmado, mas uma testemunha como o Márcio já é mais que suficiente. Um grande abraço a vocês. Fiquei feliz, nós tínhamos um timaço na época, eu estava com 18 anos. Foi primeiro gol mais rápido do mundo, até então todos os profissionais de alto nível tinham tentado e não conseguiram. O primeiro que começou fazer as tentativas foi aquele 'jogadorzinho' de todos os tempos? Pelé! Sou abençoado, valia 3 pontos, amadorzão bravo.

Golê jogou no juvenil e no amador do Grêmio, era tido como grande promessa no futebol numa época que era uma temeridade tentar ir para o profissional e deixar a segurança de um emprego com bom salário. Ele continuou atuando em grandes equipes do futebol amador de Maringá e da região e também no futsal que, entre as históricas equipes, jogou na Valmar.

Parabéns pelo gol do meio-campo e mais rápido mundo, amigo Golê. Agora, o mundo vai saber da história que você no já longínquo 1974.

Fotos: Golê, time do Museu Esportivo de 2017 e o campo de futebol de Atalaia onde Golê marcou o histórico gol)

(Texto de Antonio Roberto de Paula, diretor do Museu Esportivo de Maringá)

#museuesportivodemaringa #amigosdomuseuesportivo

Galeria de Fotos

Veja Também

Copa do Mundo de 1998 (Democracia da paixão)

“O relógio vai avançar preguiçosamente. A gente vai ver, ouvir e ler, mas sem prestar atenção. Só ficar pensando como será esta decisão”

        Hoje eu vou colocar aquela camisa amarela da Copa de 86, o shortão verde e uma fita com a inscrição “Brasil penta”. A bandeira brasileira de plástico, brinde do posto, vai ficar, com

Purpur versus Rivellino, Folha do Norte do Paraná versus O Diário do Norte do Paraná

A edição diária era feita a toque de caixa, mas as que iam sendo guardadas mereciam todo o esmero dos redatores. No dia 29, um sábado, O Diário veio com a manchete “Brasil e Argentina, arte contra garra".

O time do Brasil disputava a Copa do Mundo da Alemanha e no domingo jogaria com a Argentina. A Folha do Norte não circulou naquele sábado. Deixou para domingo o material que havia sido arquivado.

O grande as

O japonês bom de bola que jogou na seleção de Maringá

     A maior paixão de Mario Shinnai sempre foi o futebol. Por mais que houvesse o desencorajamento e as broncas do pai Yoshinari e da mãe Tsuriko, ele não desistiu. Por mais raro que fosse descendente de japoneses se destacar nesse esporte, com exceção dos que atuavam no gol, China, apelido ganho na infância, não desanimou, continuou a jogar futebol de campo e futebol de salão.

     Nos a

Frank Silva, na história da comunicação de Maringá

*

“A Escola de Datilografia Triunph por ocasião da formatura de mais uma de suas turmas promovia no salão de festas do Aero Club movimentadíssima audição dançante ao som do conjunto de Ritmos Júnior”. Esta foi uma das notas que Franklin Vieira da Silva, o Frank Silva, colocou na sua coluna “Crônica Social”, na primeira edição da Folha do Norte.

Frank, que chegou em Maringá e

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital