Crônicas / Diva de Souza Fernandes, da família que cuidava do campo do SERM

   Nascida na cidade paulista de Guará, em 1939, a enfermeira Diva de Souza Fernandes chegou em Maringá no ano de 1946, com a mãe, a viúva Angélica Evangelina de Souza e seus quatro irmãos: Azezu, José, Getúlio e Daniel. O marido de Angélica falecera dois anos antes e diante das dificuldades em Guará, ela resolveu tentar a sorte na nova cidade. O primeiro endereço foi um rancho de palmito no Maringá Velho. Angélica conseguiu emprego de cozinheira no Hospital Santa Cruz, do médico Lafayette da Costa Tourinho, e depois no Hospital São Paulo.

     Como Azezu e Getúlio jogavam no time do SERM (Sociedade Esportiva e Recreativa Maringá), eles conseguiram que a família se mudasse para a casa de madeira e de telhas de barro no campo do clube, onde hoje é a sede do Sesi. Cabia à Angélica lavar o uniforme do time. Diva conta que ela e os irmãos eram encarregados de fazer as demarcações do campo, que ainda era de terra. Dos times que atuavam contra o SERM, ela se recorda muito bem da Placa Pinguim, que tinha como jogadores os irmãos Carniel e Pelego. “Aos domingos, enchia de gente pra ver. Era um grande divertimento, uma festa”, lembra Diva, com saudade. “Meus irmãos eram muito bons de bola”, diz, orgulhosa.

     Na casa do campo do SERM, eles ficaram de 1952 a 1955. A família que ocupou a casa foi a do Parafuso, pai do sapateiro Rebite, goleiro dos bons. Angélica e os filhos foram morar na rua Cleópatra, hoje Nelson Abrão, nos fundos de uma lanchonete. É que Angélica se casara com um “gato”, o recrutador de gente para trabalhar nas derrubadas de mata, que também era dono da lanchonete. Angélica era a cozinheira e os peões comiam no estabelecimento.

     Neste interim, os filhos foram buscando ocupação no comércio do Maringá Velho. Azezu foi trabalhar em um armazém de secos e molhados e Diva na casa da família Haddad, de Nassib e Regina, que tinham os filhos Calil, Seme, Jorge, Fauze e a moça Adib. Da casa, Diva foi para a lanchonete da família Haddad.

     Diva conheceu Lázaro Antonio Fernandes em 1955, ano em que ele chegou em Maringá, vindo de Cambará, para trabalhar na Sapataria Carnelossi. O casamento foi na Catedral de madeira, em 1957. Foram morar na rua Cleópatra esquina com a rua Pinguim, hoje Antonio Carniel. Tiveram cinco filhos Jadismar, nascido em 1958; Josimar, em 1959, que faleceu com um mês de vida; Débora Regina, em 1963; Maria Angélica, em 1964; e Cláudio Sérgio, em 1966. 

     Em 1972, Lázaro montou um negócio próprio. A Sapataria Diniz, na avenida Brasil, no Maringá Velho, nome herdado do antigo dono. Aos sábados, Diva ajudava no conserto e na fabricação de sapatos, botas e botinas. A clientela, sem sua maioria era da zona rural. Durante a semana, Diva tinha outra ocupação além de cuidar dos filhos: o curso de enfermagem na Escola Carlos Chagas, localizada próximo à Catedral Nossa Senhora da Glória. A instituição, segundo Diva, não era reconhecida pelo Conselho Regional de Medicina.

     Havia uma forte razão para que Diva escolhesse a profissão de enfermeira além do fato da sua mãe tê-la inspirado: Jadismar e Maria Angélica nasceram com necessidades especiais. Diva aprendeu a aplicar injeção, primeiros socorros e se inteirou sobre medicamentos que eram ministrados aos filhos. Sabia que caberia a ela os cuidados especiais para com as crianças.

     Jadismar ingressou na Apae em 1965, sendo o primeiro aluno da instituição em Maringá. “Ele sofreu muita discriminação antes da Apae. Nenhuma escola queria fazer a matrícula dele. Na Apae se desenvolveu muito bem, trabalhou num projeto de viveiro, o “Cultivar”, com o apoio da Cocamar. O Jadismar é uma pessoa muito alegre, comunicativa”, diz Diva.  Maria Angélica entrou na Apae em 1969.

     Em 1979, mesmo com a contrariedade de Lázaro, ela conseguiu uma casa no Conjunto Branca Vieira e lá foi morar com os filhos. A relutância do marido, que insistia em continuar residindo no Maringá Velho, durou algum tempo. Quando viu que não conseguiria trazer a família de volta para a casa alugada, se rendeu e foi se juntar à esposa e às crianças.

     A primeira carteira assinada de Diva foi na Prefeitura de Maringá. Em 1983 fez concurso e foi aprovada para atuar na área da saúde do município. Na década de 1980, na administração de Said Ferreira, Diva fez parte do grupo que atuou na descentralização dos postos de saúde. Durante o tempo em que trabalhou na prefeitura, ela procurou se especializar, fez diversos cursos oferecidos pelo município. O trabalho junto à comunidade a levou a ser presidente da Associação de Moradores do Conjunto Branca Vieira e também membro do Conselho Municipal da Mulher.

     Aposentada, já não mora mais no Branca Vieira. Foram 31 anos vivendo naquele bairro. Ficou viúva e hoje vive com os filhos em um apartamento próximo à avenida JK, com exceção de Cláudio, servidor público municipal, que é casado. Débora é funcionária da Sanepar há 32 anos.   

Lázaro morreu em 2001. Três anos antes, tinha sido atropelado na avenida Colombo. O sapateiro nascido em Jacarezinho, que morou em Cambará e veio para Maringá na década de 1950, nunca mais conseguiu se recuperar. As múltiplas fraturas o tornaram paralítico até o fim da vida, aos 71 anos.

     Avó de dois filhos de Cláudio, Lorena, nascida em 1988, e Augusto, em 1993, Diva se lembra com saudades dos primeiros anos em Maringá, fala com carinho da mãe, uma guerreira, e dos queridos irmãos. Conta que Azezu, o craque de bola do SERM, era vigia de uma máquina de arroz em Doutor Camargo, cidade próxima a Maringá. Em 1972, numa tentativa de assalto, Azezu morreu depois de apanhar bastante dos bandidos.

    Não há mágoas, revoltas. Há fatos alegres e tristes, tempo de grandes dificuldades e tempo de conquistas. Há uma traumática, sofrida e bela história. Enquanto vai contando, volta e meia Diva é interrompida, ora por Jadismar, ora por Maria Angélica. Seu sorriso compreensivo revela todo o amor que sente pelas suas joias. Seus filhos não interromperam sua vida. Mostraram-lhe um caminho.

(Crônica de Antonio Roberto de Paula originariamente publicada no livro “Maringá 70 anos – a cidade contada pelos que viveram sua história”, editado pela Unicesumar, tendo como autores Antonio Roberto de Paula, Dirceu Herrero Gomes, Miguel Fernando Perez Silva e Rogério Recco, 2017, 2018) 

#museuesportivodemaringa #amigosdomuseuesportivo  

Veja Também

Um pedalando, outro na garupa

Em quase todas as tardes de domingo, entre 1967 e 1970, os garotos Serrinha e Perereca atravessavam a cidade de bicicleta para cobrir os jogos do Campeonato Amador da Liga Desportiva de Maringá.

Eram dois, até três jogos no mesmo horário no “Brinco da Vila”, na Operária, na “Telefônica”, na Vila Nova, no “Américo Dias”, o campo do SERM no Maringá Velho ou no Mandacaru. Um pedalava e outro

Rainha Donzinha

 “Um anjo saltitante que esbanjou alegria fazendo da vida uma grande piada”

    Conheci Donzinha em 1978. Uma figura marcante. Daquelas que você vê e quando torna a encontrar tem uma baita satisfação. Donzinha tinha o raro dom de alegrar qualquer ambiente. Fazia amizade instataneamente. O que colaborava com Donzinha nesta sua quase permanente alegria era o pique mantido pelos filhos Tonico e

A Sexta-feira Santa da minha infância

“Ficava um monte de moleques parados, olhando um para a cara do outro”

    A gente não podia jogar futebol. Ligar rádio nem pensar. Todo mundo tinha que ficar quietinho em sinal de respeito. No dia mais triste do ano, a gente se limitava a ficar sentado na varanda esperando o passar das horas, torcendo para que elas fossem embora rapidamente. Era um tédio, mas fazer o que? Afinal, Cristo tinha sido crucificado, morto e sepulta

Alcides Siqueira Gomes, um dos primeiros a jogar futebol de salão em Maringá

   Alcides Siqueira Gomes fala sobre todos os assuntos relacionados a Maringá com veemência e autoridade de quem nasceu na cidade no dia 1º de janeiro de 1947. Sobre comércio, religião, futebol, educação, política e administração municipal e seus respectivos personagens e fatos marcantes, inclusive do avião que caiu no centro da cidade em 1957. A memória de Alcides corre para busca

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital