Crônicas / Uma história dividida entre Maringá e Ourizona

Em 1945, Arlindo e Mário Pedralli compraram uma fazenda de 150 alqueires em Ourizona, depois de venderem uma propriedade de 20 alqueires na cidade paulista de Rancharia. A vinda dos irmãos com suas respectivas famílias a Maringá aconteceu dois anos depois. Em 1947 e 1948, os Pedralli se estabeleceram na cidade até que parte da mata da propriedade fosse derrubada e iniciado o plantio de café.

     Na fazenda batizada de São Roque, homenagem ao nome do pai de Arlindo e Mário, antes de construírem uma pequena casa de chão batido, tiveram que morar em um cercado feito de palmito tendo folhas de coqueiro como cobertura. Em Maringá, eles tinham três cabritas, mas levaram apenas uma para a fazenda, a que dava mais leite. À noite, com medo de ela se tornar presa das onças, colocavam-na dentro do barraco.

     Ayres Pedralli nasceu no dia 10 de maio de 1937. Suas lembranças naqueles primeiros anos do seu pai Arlindo e do tio Mário são um misto de Maringá com a Fazenda São Roque. O primeiro trem chegou na cidade em 1954, mas ele conta que já em 1947 estava sendo feito o aterro da estrada de ferro no trecho entre a avenida São Paulo até a 19 de dezembro. “Era muita gente com enxadão. Mais de 300 burros ensinados que iam em fila levando cargas de terra nas carroças e voltavam vazios.” Ayres diz que esta imagem é a primeira que lhe vem à mente quando pensa naquela Maringá do barro e da poeira e ele com 10 anos de idade. Mas tem outras: a descida do primeiro avião, em 1947, e a chegada da imagem original de Nossa Senhora de Fátima, vinda de Portugal, em 1953, depois de passar por Siqueira Campos, Jacarezinho, Londrina e Apucarana.

     Dos tempos de estudante aplicado, a memória é muito boa. Ele estudou no Colégio Santa Cruz, depois no Osvaldo Cruz. Foi aluno de Maria Balani Planas e de Odete Alcântara Rosa, colega de carteira de Mané Gago, figura histórica da Cidade Canção. Viajando alegremente no tempo, Ayres se lembra dos alunos de guarda-pó, perfilados, eretos durante a execução do Hino Nacional ou do Hino da Independência. Comenta orgulhoso que chegou a receber a Cruz Vermelha na escola, distinção ao melhor aluno e à melhor aluna da sala. Com a Cruz Vermelha pregada no bolso do guarda-pó, o menino e a menina eram guindados a líderes da turma e tinham a tarefa de organizar a fila e auxiliar a professora. Também se recorda da Padaria Arco-Íris, na avenida Brasil esquina com a rua General Câmara, hoje Basilio Sautchuk, aberta 24 horas por dia. A Padaria Arco-Íris era o sonho de consumo de dez entre dez meninos da Maringá dos anos 40 e 50.

       Na São Roque, as reminiscências, além do trabalho diário, estão relacionadas ao futebol, aos bailes e às vindas a Maringá. Bons de bola e apaixonados pelo esporte, os Pedralli montaram um forte time, que durou mais de 20 anos, vencedor de torneios e campeonatos na região. Descendentes de italianos, sabiam organizar bailes nas tendas armadas no terreirão. As comemorações nas datas santificadas e as festas de casamentos eram famosas em Ourizona e imediações.

     Morando na fazenda, as vindas da família Pedralli a Maringá eram frequentes. O ônibus da Viação Garcia pegava os passageiros em Ourizona quando o dia estava amanhecendo e retornava à noite. Ayres conta que o ônibus passava na cabeceira da fazenda e lá eles embarcavam. A distância de 35 quilômetros entre as duas cidades era percorrida por não menos de três horas. Eram muitas as paradas e buracos, árvores caídas, nuvens de poeira. Quando chovia, a situação se agravava. Os passageiros tinham que descer e empurrar o veículo para tirá-lo do atoleiro. Ourizona tinha um comércio muito fraco, restrito a secos e molhados, e por isso todos dependiam de Maringá, tanto para a compra de tecidos e calçados, móveis e material de construção como para medicamentos e consultas médicas.  

    Já morando em Maringá, Ayres jogou nos times do SERM (Sociedade Esportiva e Recreativa Maringá), Telefônica, Mandacaru e Operário entre 1958 e 1959. Sempre de quarto-zagueiro. Em 31 de dezembro de 1959, casou-se com Angélica Henriques, em Ourizona, depois de um namoro de três anos. Dá para imaginar a festa na Fazenda São Roque! Passagem de ano com casamento de um Pedralli! O casal tem três filhos, cinco netos e um bisneto.

     Os Pedralli sofreram com as geadas, primeiramente com a de 1953, depois a de 1955, tão terrível como a de 1975, na opinião de Ayres. Tiveram que mudar de ramo. Compraram um caminhão e passaram a fazer fretes e trazer telhas e tijolos, entraram no comércio de cereais. Em 1959, compraram do então prefeito de Maringá, Américo Dias Ferraz, a máquina de beneficiar café que ele tinha em Ourizona. Reequilibraram as finanças, adquiriram terras em Japurá. No acordo para separar a sociedade, o pai de Ayres ficou com a São Roque e o tio com as terras de Japurá. A paixão pelo esporte continuou ao longo dos anos. De 1985 a 2010, ele comandou a Associação Maringaense de Bocha, e de 1978 a 1983 foi diretor do Grêmio de Esportes Maringá.

       Os filhos de Arlindo diversificaram os negócios. Além do café, soja, trigo, milho, aveia e sorgo, passaram a trabalhar com gado. Em 1987, Ayres, Joíldes e Élcio passaram a dirigir seus próprios empreendimentos. Quando Ayres narra passagens daqueles primeiros anos em Maringá e Ourizona, o mano Élcio, 24 anos mais novo, acompanha atentamente e, às vezes, complementa algo, se recorda de algum fato relevante, ouve o que há muito já sabe, o que lhe foi contado pelo pai, pela mãe, pelos tios e sorri orgulhoso vendo em Ayres a história da sua família, a força do trabalho, da superação e da conquista dos Pedralli.   

(Crônica de Antonio Roberto de Paula originariamente publicada no livro “Maringá 70 anos – a cidade contada pelos que viveram sua história”, editado pela Unicesumar, tendo como autores Antonio Roberto de Paula, Dirceu Herrero Gomes, Miguel Fernando Perez Silva e Rogério Recco, 2017, 2018)      

Galeria de Fotos

Veja Também

Glória isolada de um Grêmio de Maringá

“Naquela tarde de 2 de outubro de 1977, o torcedor maringaense comemorava o título sem imaginar que seria o último”

   Falta para o Grêmio no bico da grande área. A equipe maringaense está perdendo para o Coritiba por 1 a 0, no Couto Pereira, na decisão do Campeonato Paranaense de 1977. Itamar cobra a falta. Gol do Galo. Final: 1 a 1. Grêmio campeão. Naquela tarde de 2 de outubro de

O registro da história no disparo da máquina de Kenji Ueta

     Os primeiros registros fotográficos do Maringá Velho e do Maringá Novo são creditados a Shizuma Kubota, do Foto Primeiro, e ao seu cunhado Tutomo Samuki, do Foto Moderno, este, responsável por grande parte das imagens aéreas da cidade nos anos 40 e 50. Soma-se a esta dupla histórica a família Eidan, do Foto Lux, aberto em 1948 no Maringá Novo. Excetuando as fotos e vídeos dos estúdios e produ

Paraguai de garra e de Gamarra - Copa do Mundo de 1998

“A atuação do time paraguaio foi um exemplo de que, em algumas ocasiões, vitórias e derrotas são apenas detalhes”

   O Corinthians não mandou nenhum jogador para a seleção brasileira. E pelo elenco que possui, não houve injustiça. Mas o Timão não ficou de fora da Copa. Na zaga paraguaia o Corinthians se fez representar por Gamarra, um misto de guerreiro e estilista que

O sorriso do velho

(Antonio Roberto de Paula

     Pelo que sei, tinha vindo do norte. Não sei qual norte. Ou seria do sul? Que era corintiano até a raiz, transferência da paixão que vinha do bisavô, mas nunca chutara uma bola. Gostava de cerveja aos domingos e nos outros dias da semana também. Sei que gostava de mulheres. Isso mesmo, no plural. De todas as cores, idades, vocações e tamanhos. No final, sossegou.

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital