Crônicas / Guerreiro, São Jorge...

Sempre fui apaixonado por futebol, uma paixão infinitamente maior do que a minha qualidade como jogador amador. Tenho muitas histórias de arquibancada e de sofá que marcaram minha vida de amante da bola. Tenho algumas de campo e de quadra, poucas, mas tenho.Tenho uma de 1971, quando tinha 13 para 14 anos. Guardo esta história com grande carinho porque foi a primeira vez que consegui ser protagonista num jogo (uma das poucas vezes, por sinal).

Vou contar. Em 1971, morava com a minha Vó Maria em Maringá (meu vô Jacinto tinha morrido naquele ano), minha família morava em Engenheiro Beltrão-PR. Meu pai, Milton, era gerente da Casa dos Retalhos daquela cidade e em 1972 retornamos a Maringá.

Quase todos os sábados eu ia para Engenheiro Beltrão com meu tio Zé Maria Barreto e minha tia Léa e voltava na segunda-feira com a kombi da turma que estudava em Maringá.

Minha alegria era chegar no Bar Central, do Seu Tula, compadre do meu pai, e ver meu nome na convocação do time infanto-juvenil do Engenheiro Beltrão. Às vezes começava jogando, às vezes ficava na reserva, mas era muita emoção vestir o uniforme do time e participar como centroavante das partidas no estádio João Cavalcante de Menezes. Quando o time, comandado pelo técnico Binão viajava pela região, então, era o máximo para aquele garoto magricela chamado Toninho.

Numa ocasião (aí que começa a história do protagonismo) fomos de kombi para São Jorge do Ivaí. Vencemos por 1 a 0, gol meu. Se não bastasse vencer aquele amistoso com meu gol (não consigo me lembrar como foi, sei que foi de dentro da área, mas não guardei detalhes), tive mais uma bela surpresa. O Binão chegou pra mim depois do jogo e disse pra eu pôr o uniforme da equipe juvenil, que iria jogar em seguida contra o São Jorge, porque eu ficaria na reserva. Puxa vida! Me senti o Toninho Guerreiro!! Não entrei no segundo jogo, mas não precisava. A crônica já estava pronta.

E a vida seguiu, bola rolando. Teve um jogo aqui, ali, nos campinhos de terra batida, nos colégios, nas quadras de cimento, nos gramados de chácaras e associações, em tantos lugares, uma vitória lá e cá, um gol ou outro, um titulozinho sem expressão de vez em quando, uma artrose no joelho direito, a insistência em continuar jogando, agora no time sub-70 do Museu Esportivo, mas São Jorge nunca saiu da mente. O infantil da AERBEB - Associação Esportiva Recreativa Beneficente de Engenheiro Beltrão (agora tiraram o "Beneficente") ficou no coração. Relembrar é retornar, um passeio de kombi pelo passado.

Hoje, quando converso com os velhos amigos de Engenheiro Beltrão, me lembro logo daquele dia. Acho que só eu me lembro. Para todos, a poeira do tempo deve ter levado essas recordações. Com tantos jogos nas costas, jogando ou comandando times fora do gramado, certamente o Binão não vai se lembrar. Meus companheiros de time, que tinha o canhoto Zé Antonio (que nunca mais vi) como o maior craque, também devem ter esquecido. O Toninho, que os queridos amigos do time do Alvorada e do Ceasa apelidaram de Guerreiro nos anos 70, vai viver para sempre com esta boa lembrança.

 

(Antonio Roberto de Paula, diretor do Museu Esportivo de Maringá) 

#museuesportivodemaringa #amigosdomuseuesportivo

Veja Também

 Bicicletas Prosdócimo, Caloi, Hermes e Monark, as vespas, os jipes, os simcas

  Verdelírio Barbosa e seus dois irmãos chegaram em Maringá no ano de 1951 trazidos pelo pai José Firmino Barbosa e a mãe Maria Cassiano da Fonseca Barbosa. A família saiu de São José do Rio Preto-SP e antes da Cidade Canção ficou em Guadiana, distrito de Mandaguaçu onde Verdelírio estudou o primário.

     Foram morar na avenida Laguna. A memória de Verdel&iacut

Osvaldo Lima, Em cima do lance

O que o rádio tocava virava sucesso. Em 1962, eram três as emissoras em Maringá: Cultura, Atalaia e Difusora. E uma grande rivalidade. O jornal era feito para um determinado grupo de pessoas. Já o rádio, com seu fantástico alcance, chegando a todos os rincões, dominava a preferência.

No lançamento da Folha do Norte, Osvaldo Lima estreou a coluna com um nome um tanto quanto esquisito: "Antenando e Discomentando&qu

Alcides Siqueira Gomes, um dos primeiros a jogar futebol de salão em Maringá

   Alcides Siqueira Gomes fala sobre todos os assuntos relacionados a Maringá com veemência e autoridade de quem nasceu na cidade no dia 1º de janeiro de 1947. Sobre comércio, religião, futebol, educação, política e administração municipal e seus respectivos personagens e fatos marcantes, inclusive do avião que caiu no centro da cidade em 1957. A memória de Alcides corre para busca

Rocamora, pioneiro do rádio - crônica de A. A. de Assis

Meados da década de 1960. Chico ia passando de jipe, brecou, abriu a porta, mandou-me entrar: “Vamos até Marialva?”. Não perguntei para quê. Fui. Chegamos a uma torre que ele erguera no ponto mais alto da vizinha cidade. “Sobe?” Subimos. Uma vista fascinante. Diante de nós aquele verde e vasto planalto onde Maringá se destacava como futura metrópole. Chico, um idealista. Um sonhador contagiante.
Seu prop&oacut

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital