Últimas Publicações / Alaor Capella (25 de setembro de 1933 - 15 de agosto de 2020), autor do primeiro gol oficial do Londrina

Londrina Esporte Clube - NOTA DE FALECIMENTO: ALAOR CAPELLA

O Londrina Esporte Clube lamenta o falecimento do ex-jogador Alaor Capella.

Alaor Capella é o autor do primeiro gol da história do Londrina, em 1956, no empate com o Corinthians de Presidente Prudente, no VGD.

Alaor foi duas vezes campeão do Campeonato do Norte do Paraná, em 1957 e 1959, além de ser o segundo maior artilheiro da história do clube.

O clube lamenta o falecimento e presta as condolências aos familiares e amigos.

Texto do Blog Londrinense, do amigo do Museu Esportivo de Maringá, Flávio Frim: 

 

Alaor Capella dos Santos nasceu no Rio de Janeiro (RJ), em 25 de setembro de 1933.
Começou nas categorias de base do Flamengo, do Rio de Janeiro, onde permaneceu no período de 1953 a 1955.
Ainda em 1955, transferiu-se para o Vitória, de Salvador (BA), ficando por lá até 1956, quando se sagrou campeão baiano em 1955.
Em 1956 foi para o Londrina, logo depois de o clube ser fundado (5 de abril de 1956).
Alaor marcou o primeiro gol da história do Londrina, no amistoso com o Corinthians, de Presidente Prudente (SP), em 24 de junho de 1956.
Foi o segundo maior artilheiro da história do Londrina, marcando 126 gols, no período de 1956 a 1960, perdendo apenas para Gauchinho, que marcou 217.
No clube paranaense conquistou por duas vezes o campeonato do Norte do Paraná, nos anos de 1957 e 1959 (ainda não havia a participação de clubes do norte do Estado na Primeira Divisão). No torneio de 1957, foi o artilheiro da competição, com 10 gols.
Transferiu-se para a Associação Prudentina de Esportes, de Presidente Prudente (SP), onde permaneceu até 1961 e, neste ano, ajudou o clube a sagrar-se campeão da Segunda Divisão de Profissionais, passando a fazer parte da Primeira em 1962.
Voltou a defender um clube do Norte do Paraná entre 1961 e 1962, o Nacional Atlético Clube, de Rolândia.
Em março de 1962 ele foi contratado para jogar no Rabello, de Brasília (DF).
Sua estréia aconteceu no dia 25 de março de 1962, num amistoso em que o Rabello venceu o Nacional por 2 x 0. Alaor marcou o primeiro gol, de cabeça.
Convocado para a Seleção de Brasília que disputou um amistoso contra o Vasco da Gama, do Rio de Janeiro (RJ), no dia 21 de abril de 1962 (1 x 1), teve a honra de ceder seu lugar para o grande craque Zizinho, que se despedia dos gramados e foi convidado especial para a festa de aniversário de Brasília.
Nos dias 28 de abril e 1º de maio foi realizada a Taça Candango, com a participação do Guará, Colombo, Defelê e Rabello. Na decisão do torneio, no campo do Guará, o Rabello venceu o Guará por 2 x 1, com um gol de Alaor Capella.
Passou a fazer parte com freqüência das convocações para defender a Seleção de Brasília, inclusive a que disputou o Campeonato Brasileiro de 1962, superando Mato Grosso na primeira rodada e sendo eliminada por Goiás na fase seguinte.
No campeonato de 1962, o Rabello ficou com a terceira colocação.
Em 1963, os dirigentes do Defelê, maior rival do Rabello, conversaram com Alaor e ofereceram um emprego com um salário melhor. Aconteceu a transferência para o Defelê, onde permaneceu até o ano de 1968, ano em que fez parte do time campeão brasiliense, o último título conquistado pelo Defelê.
No mesmo Defelê, no ano seguinte (1969) começou sua carreira de técnico de futebol.
Depois do Defelê, dirigiu várias equipes de Brasília: Corinthians (1976), Desportiva Bandeirante (1977 a 1979, ano em que foi vice-campeão), Guará (1980 e 1981, quando também foi vice-campeão), Brasília (no campeonato brasileiro de 1981), Gama (1981 e 1982), Guará (1983 a 1984), largou o profissionalismo e sagrou-se campeão amador pelo Pratão em 1984 e voltou a dirigir o Gama em 1985.
A partir de 1990 foi contratado para iniciar Escolinha de Futebol na Associação dos Empregados da CEB – ASCEB nas categorias mirim, infantil e juvenil.
Deste trabalho desenvolvido, foram encaminhados vários jogadores para times profissionais de Brasília e também para o Londrina (PR) e para o Atlético, de Ibirama (SC).
Na horas de folga, dirigiu o time da AMAGIS-Associação dos Magistrados de Brasília, que venceu a fase regional da Olimpíada da entidade em Cuiabá (MT) e ficou em terceiro lugar na fase nacional, disputada no campo do Flamengo, no Rio de Janeiro. Isso em 1977.
Em 2000, contratado pela Polícia Federal, foi o treinador da equipe de Brasília que disputou a Olimpíada da DPF, em Natal (RN), sagrando-se campeã no futebol de campo e terceira colocada no futebol society.? (www.historiadofutebolbrasileiense.blogspot.com)

Galeria de Fotos

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Estádio Estrelão, Porto Alegre

Estádio Estrelão, Porto Alegre, pertencente ao Esporte Clube Cruzeiro, de Cachoeirinha

O Estrelão teve capacidade para cerca de 1.500 pessoas, sendo que a média atual de público é de 300 pessoas por jogo. Inaugurado dia 3 de abril de 1977 com o amistoso Cruzeiro 0 x 0 Pelotas. O Esporte Clube Cruzeiro, de Porto Alegre, foi o primeiro clube gaúcho a excursionar pela Europa, Ásia e Oriente Médio, abrindo o mercado int

Norte do Paraná em Revista, publicação histórica de 1958

Nosso amigo pioneiro maringaense Ivan Bortolotto esteve no Museu Esportivo no dia 1º de março de 2019  para doar uma revista histórica, de dezembro de 1958, a "Norte do Paraná em Revista", uma preciosidade que tinha nosso amigo Antonio Augusto de Assis, o AA de Assis, como redator. O diretor era Aristeu Brandespim, o diretor comercial Antonio Campos de Andrade e o chefe de reportagem Ennio Monção Pires. A capa é uma ilustra&cc

Websérie Paixão Cinquentenária - MEM e Maringá Histórica vão lançar série documental sobre o futebol de Maringá

De Paula, Miguel Fernando e Tilinho vão produzir websérie com dez episódios tendo 100 entrevistados, imagens inéditas de grandes jogos realizados no Willie Davids, áudios originais de transmissões esportivas, fotografias, revistas e jornais antigos.

Em série documental, a história do futebol profissional vai ser contada em vídeo pelo jornalista Antonio Roberto de Paula, o pesquisador Miguel Fernando e o pesquisador de fu

Uma análise da situação do futebol no Brasil - Artigo do ex-jogador profissional Luis Antonio Rocha, colaborador do Museu Esportivo de Maringá

-Texto publicado no site www.taniatait.com.br, dia 17 de setembro de 2020. 

- O Brasil é marcado pela paixão ao futebol. Todo torcedor brasileiro ou brasileira se sente um técnico, dá opinião, critica, sofre, enfim se sente ligado ao futebol.

No entanto, o futebol que tanto encanta, traz uma série de problemas. Quatro desses problemas chamam muito a atenção: a falta do futebol arte; o descaso do jogador pela

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital