Últimas Publicações / Equipes amadoras - Fotos doadas por Miltinho Albano ao Museu Esportivo de Maringá (2)

Equipes amadoras - Fotos doadas por Miltinho Albano ao Museu Esportivo de Maringá. Caso você tenha informações sobre estas fotos (nome dos times, jogadores, ano), entre em contato conosco pelo [email protected] 

Milton Albano Gomes, o Miltinho, conta a sua história no futebol                                                                                  

'Meu nome completo Milton Albano Gomes, nasci no dia 15 de outubro de 1961. Iniciei minha carreira em 1987 como técnico das categorias de base do Grêmio de Esportes Maringá na presidência do Capitão Mauro Carvalho Duarte com o apoio de Maurício Gonçalves, que me mostrou os primeiros caminhos da bola, me entregando um projeto de escolinha. Ali eu permaneci até 1996, quando o Grêmio então veio a terminar na direção do Nilton César Servo.

Eu tive a honra de ser campeão norte paranaense pelo Grêmio de Esportes Maringá ganhando a vaga em cima do Londrina Esporte Clube no Estádio Regional Willie Davids, com uma vitória maiúscula de 2 x 1, de virada. Depois eu fui campeão do interior do Paraná em Marechal Cândido Rondon, campeão da série brasileira que aconteceu no estado de São Paulo, campeão da série brasileira que aconteceu em Itatinga-SP, vice-campeão em Itaguaí-RJ, tricampeão da Liga Desportiva de Maringá nos campeonatos regionais. E assim foi minha carreira durante todos esses anos, conquistamos em nome do Grêmio de Esportes Maringá mais de 60 troféus.

Fui eleito o melhor técnico em 1990 no interior do Paraná, fui convocado para a seleção do norte do Paraná junto com Milton do Ó, de quem fui auxiliar. Trabalhei com jovens talentos e pude revelar nomes para o futebol. É uma lista enorme, posso me esquecer de algum nome, mas agora me vem à lembrança: o Gian, volante do Paranavaí campeão paranaense pelo Paranavaí. Valdinei Cunha, Funfa, a gente chamava ele de Funfa, que pegou a Seleção Brasileira com 15 anos, depois foi vendido ao Fluminense, era chamado de Nei, foi campeão brasileiro com Vanderley Luxemburgo no Corinthians, jogou no Esporte, Coritiba.

 

 Depois eu tive um trabalho que eu fiz com esse menino aqui de Paiçandu, o Anderson, que ele sempre cita este trabalho, e o Funfa também fala de mim, e eu tenho jornais guardados dois. Tem o Marquinhos Astorga, Pogioli que fico para ir para o Flamengo e o Grêmio não vendeu na época, Galvani que jogou no Athletico. O Claudemir que foi goleiro do Criciúma, Paulinho que foi centroavante, que jogou no Araçatuba.

Cito o André que também jogou no Araçatuba saiu daqui, depois foi o Índio, Ademir Chagas, que jogou no Atlético Mineiro, depois eu tive também o Luiz Fernando, que jogou no interior de Minas Gerais. São tantos jogadores: o Petrúcio, que jogou depois no Náutico que quase foi vendido pra Portugal, o Marrom que jogou na Portuguesa, jogou no Londrina, então foram vários que eu formei na época. Arthur, que foi meu goleiro também no Grêmio Esportes Maringá e depois jogou no Pato Branco. Claudemir, que jogou no Criciúma, goleiro também formado nas nossas categorias de base. Depois eu tive Gessé, o Guimarães e o Índio, que jogaram no Atlético de Sorocaba. Eduardo e Maicon, que jogaram no interior de São Paulo, Santa Barbara do Oeste, no União Agrícola Barbarense.

Sou formado pela Universidade Estadual de Maringá, me formei em 1992, sou pós graduado em Gestão de Pessoas e pós graduado em Treinamento Físico chamado Pilates, e sou também formado em musculação para atletas.Tenho também uma publicação nos acervos da UEM de um projeto de como o brinquedo expressa a vida da criança.

Estou no Centro Português de Maringá desde 1992, são quase trinta anos, e lá nós conseguimos ser campeões Interclubes por quatro vezes, campeão da Liga Metropolitana por duas vezes, vice-campeão da Copa Paraná nas categorias sub-8, sub-7 e sub-11. Depois disputamos a Copa Regional Paraná e ficamos em terceiro lugar. Na equipe adulta nós somos terceiros colocados nos Jogos Interclubes e disputando o Campeonato Regional de Maringá promovido pela Secretaria Municipal de Esportes fomos campeões em duas oportunidades e três vezes terceiro lugar nas categorias sub-10, sub-11 e sub-13. Iniciei o meu trabalho lá na gestão do Luciano Pereira Baptista e agora com o atual presidente Edalvo Garcia.

 Foram bons tempos, foram tempos de revelação, na época que o Grêmio de Esportes Maringá poderia ter se tornado um grande clube. Foram muitas as revelações, muitos atletas. O clube deixou de dar uma alavancada nesse período, em 1990, 1991. Era para ter negociado parte do passe de atletas com grandes clubes, como o Flamengo, que na época estava numa fase fantástica. Um dia, naqueles momentos bons, de revelação de jogadores, o saudoso Luiz Fabretti me entrevistou para uma rádio de Maringá, ele mês fez uma pergunta sobre o futuro do Grêmio. Eu falei que se não investisse nas categorias de base, o clube não ia ter um futuro e o presente seria curto. Deu no que deu. Uma pena. A base é tudo.  Eu agradeço o Antonio Roberto De Paula por resgatar a história do esporte.'

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Título patrimonial e propaganda de 1978 do Galo do Norte

Agradecimentos ao amigo do Museu Esportivo de Maringá, Antonio Souza Reis, que doou para o nosso acervo duas relíquias do Grêmio de Esportes Maringá, de 1978, pertencentes ao seu pai Antonio Francisco dos Reis: o documento, inclusive com a capa, que era entregue aos adquirentes do título patrimonial do clube e um panfleto de propaganda do Galo do Norte.

Diretor do ITGEM - Instituto dos Torcedores do Grêmio de Esportes Maringá, entidade

Equipes amadoras (2)

Equipes amadoras (2) 

Colabore conosco. Ajude-nos com informações sobre as fotos: nome do time, escalação e ano.

 

Museu Esportivo de Maringá colecionado histórias

No próximo dia 30, o Museu Esportivo de Maringá comemora 1 ano da inauguração do seu espaço fixo. Foi no dia 30 de outubro de 2017 que abrimos, pela primeira vez, as portas do endereço da história esportiva da cidade, do estado e do país: rua Pioneiro Domingos Salgueiro,. nº 1415, esquina com avenida Carlos Borges, Jardim Guaporé. Dela lá pra cá, colecionamos muitas alegrias, emoções, muitas visita

João Hélio Alves, o Feiticeiro

Morreu no dia 31 de maio de 2009, João Hélio Alves, o Feiticeiro. Alves nasceu em 1927, em Paranaguá, onde residiu até a morte do pai, em 1936. Neste mesmo ano, mudou-se para Curitiba, onde estudou e trabalhou até 1942. De volta a Paranaguá, iniciou sua carreira no futebol como atleta amador no Clube Atlético DNC (Departamento Nacional do Café). Paralelamente ao futebol, foi auxiliar de escritório na empresa Rocha S

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital