Últimas Publicações / A odisseia de 1970: O Brasil pinta sua obra-prima no México

Em 1970, o México se transformou no palco onde o Brasil orquestrou um espetáculo de futebol inigualável, marcando sua terceira conquista mundial com pinceladas de genialidade, ousadia e uma elegância sem precedentes. Guiados por Mário Jorge Lobo Zagalo, os artistas em verde e amarelo compuseram uma sinfonia que reverbera através dos tempos.

A baliza era guardada por Félix, cuja valentia e sagacidade eram o esteio nos momentos de pressão. Sofreu gols, é verdade. A montagem da defensiva em poucos meses da estreia resultou em momentos titubeantes, quando foi vazada em jogos em que o ataque se encarregou de resolver a questão fazendo os gols necessários para as vitórias.

Mesmo assim, individualmente, o setor defensivo era um mosaico de virtudes: Carlos Alberto Torres, com sua aura de liderança e destreza, comandava a lateral direita, enquanto Brito fortalecia o centro com vigor e resistência física impecável. Wilson Piazza, com sua presença serena, dirigia a retaguarda, e Everaldo, incansável na lateral esquerda.

No meio-campo, a trama se complexifica com Clodoaldo, cuja habilidade em interceptar e criar era vital. Gerson, conhecido como 'Canhotinha de Ouro', era o arquiteto, desenhando jogadas com passes que pareciam desafiar as leis da física. Rivellino, com sua esquerda celestial, adicionava um toque de magia, tecendo dribles e tiros que desarmavam as defesas adversárias.

O ataque era a culminação desse quadro magistral. Jairzinho, o 'Furacão da Copa', rasgava as defesas como uma tempestade implacável, marcando em cada capítulo do torneio. Tostão, o 'Mineirinho de Ouro', era o visionário, jogando com uma clareza que parecia antecipar cada movimento no campo. E Pelé, o monarca do futebol, cujo nome sozinho invoca imagens de grandeza, elevava cada momento com sua presença.

O clímax dessa epopeia veio na final contra a Itália, onde o Brasil não apenas jogou, mas pintou uma obra-prima no estádio Azteca. A vitória por 4 a 1 não foi apenas um triunfo numérico; foi uma exibição de arte em movimento, uma demonstração de como o futebol pode ser jogado com paixão, inventividade e uma harmonia quase poética.

Assim, essa seleção não apenas conquistou um título, mas também um lugar eterno na galeria dos imortais do esporte, deixando um legado que é tanto uma celebração do futebol quanto um convite para sonhar. O time de 1970, com sua mistura única de técnica, arte e espírito, permanece não apenas na memória, mas no coração pulsante da cultura futebolística.

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Zé Carlos Careca doa camisa do União Rondonópolis e ingresso da final que deu o título inédito ao clube 

José Carlos Cavalcante, que tem o apelido de Careca e foi jogador amador em Maringá, torcedor do São Paulo Futebol Clube e do União Esporte Clube, da cidade de Rondonópolis-MT, doou ao Museu Esportivo de Maringá uma camisa de 2010, do clube mato-grossense campeão estadual naquele ano, que foi autografada por três jogadores da equipe.
Na final, realizada no dia 28 de abril de 2010, em Rondonópolis, contra o Operário de

Museu Esportivo de Maringá, o endereço da memória esportiva -

Criado pelo jornalista e escritor Antonio Roberto de Paula, está localizado na rua Pioneiro Domingos Salgueiro, nº 1415, esquina com a avenida Carlos Borges, Jardim Guaporé, Maringá-PR. Na internet desde 2014, o MEM promoveu exposições itinerantes em Maringá em 2016 e 2017. No dia 30 de outubro de 2017 foi inaugurado um local próprio para a visitação pública. Atualmente, o Museu conta com mais de 5.000 pe&cce

Maringá - Centro de Iniciação ao Esporte Veldocir Roque Amboni

Texto da Diretoria de Comunicação da Prefeitura de Maringá, dia 18 de setembro de 2017. Foto: Cary Bertazzoni / PMM.

A administração municipal realizou neste domingo, 17, a entrega oficial das obras do Centro de Iniciação ao Esporte do Jardim Paulista III à comunidade maringaense.

Além do prefeito Ulisses Maia, secretários municipais e coordenadores de áreas da Secretaria Municipal de Esporte

Laércio Pires Martins

Laércio Pires Martins - Falecimento: 11 de abril de 2017, aos 70 anos.

Assista no Youtube o documentário 'Histórias que a bola pesada contou' sobre os 50 anos do futsal de Maringá, do diretor Antonio Roberto de Paula.

O adeus do goleiro que fez seu nome na história na bola pesada. Laércio foi um dos melhores goleiros do futsal maringaense nas décadas de 60, 70 e 80. Foi um dos nosso entrevistados para o document

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital