Crônicas / Um gol de placa em Atalaia-PR no ano de 1974

O amigo do Museu Esportivo de Maringá, Jair Carvalho, que todos conhecem como Golê, meio-campista que, mesmo aos 64 anos, continua batendo muito bem na redondinha, atuando nos campeonatos do Clube Olímpico de Maringá e defendendo as cores da equipe veteraníssima do Museu Esportivo de Maringá, fez um gol-relâmpago, em 1974, aos 18 anos, quando jogava na equipe amadora do time da cidade de Atalaia, 53 quilômetros de Maringá.

Ele já havia me contado esta história, mas o tempo passou e nem me lembrava mais. Na terça-feira, dia 19 de maio de 2020, ele me mandou uma mensagem: 'Bom dia parceiro! Lembra que falei pra você de um gol inédito que fiz. Vou te passar um áudio que me mandaram ontem, e você, agora, pode divulgar com segurança'. Acho que o Golê pensou que eu não tinha acreditado.

Aí, fui ouvir o depoimento que o amigo do Golê, o Mazinho, gravou do Márcio, morador em Atalaia, que era gandula daquele jogo realizado naquela cidade entre a equipe da casa e o Presidente Castelo Branco, goleada de 5 a 1 para o Atalaia, dois gols do Golê, o relâmpago na saída de bola para o início do segundo tempo.

Vamos a transcrição do áudio do Márcio. Inicialmente, o Mazinho faz a apresentação: 'Golê, boa noite. Estou aqui com o Márcio de Atalaia, ele vai narrar um gol histórico que você fez lá: é, eu tinha 11 anos, tava colocando a cruzinha na rede, atrás do gol do Castelo Branco, não lembro o nome do goleiro, era um cabeludinho, cabelo enroladinho. Aí o Atalaia soltou a bola e o Golê, do meio do campo, meteu a bola por cobertura, fez o gol. Eu lembro que o goleiro disse na época: essa não tava no gibi. Falou com essas palavras. Eu não lembro o nome dele. Só lembro que ele era parecido com o Popinho de Floraí, não sei se era o Popinho, acredito que não. Uma vez o Golê disse pra mim: eu conto pra todo mundo e ninguém acredita.'

Depois da voz de Márcio, entra o Mazinho: 'Aí Golê, um fã seu, agora tá registrado, pode contar este gol aí. Golê até hoje bate bem na bola'. Entra o Márcio: 'Ele tinha aquela jogada do Zé Sérgio: cortava pra dentro e pá'. E Mazinho finaliza: 'É isso aí, grande abraço pra você, meu amigo.' Golê agradeceu a lembrança e enviou mensagem para o Mazinho: 'Boa noite! Mazinho, onde encontrou o Márcio? Foi o gol mais rápido do mundo na época, é uma pena que não foi filmado, mas uma testemunha como o Márcio já é mais que suficiente. Um grande abraço a vocês. Fiquei feliz, nós tínhamos um timaço na época, eu estava com 18 anos. Foi primeiro gol mais rápido do mundo, até então todos os profissionais de alto nível tinham tentado e não conseguiram. O primeiro que começou fazer as tentativas foi aquele 'jogadorzinho' de todos os tempos? Pelé! Sou abençoado, valia 3 pontos, amadorzão bravo.

Golê jogou no juvenil e no amador do Grêmio, era tido como grande promessa no futebol numa época que era uma temeridade tentar ir para o profissional e deixar a segurança de um emprego com bom salário. Ele continuou atuando em grandes equipes do futebol amador de Maringá e da região e também no futsal que, entre as históricas equipes, jogou na Valmar.

Parabéns pelo gol do meio-campo e mais rápido mundo, amigo Golê. Agora, o mundo vai saber da história que você no já longínquo 1974.

Fotos: Golê, time do Museu Esportivo de 2017 e o campo de futebol de Atalaia onde Golê marcou o histórico gol)

(Texto de Antonio Roberto de Paula, diretor do Museu Esportivo de Maringá)

#museuesportivodemaringa #amigosdomuseuesportivo

Galeria de Fotos

Veja Também

Páginas escritas para a história

     Venho folheando jornais antigos nas últimas semanas. Jornais de 30, 40, 50 anos atrás. Um passeio pela linha do tempo, um retorno para um mundo tão longínquo e tão presente.  Cada folheada, uma história. Fico imaginando onde eu estava e o que estava fazendo no ano em que determinada edição foi publicada. E fico analisando os textos, os termos utilizados, as abordagens cerimoniosas e até ufanistas, os

O fantasminha necessário

 Um garoto me acompanha quase todos os dias. É um fantasminha. Ele saiu ali pelo final da década de 60, entrando na de 70, e de uns tempos para cá vem se sentando ao meu lado em frente à televisão, no carro, quando estou ouvindo as pessoas, nas caminhadas e quando fico divagando com as mãos pousadas no teclado do computador.
     Esse garoto tem camisa branca, calças curtas, sapatos pretos Vulcabrás e meia

Menino da porta de casa 

Guga é como aquelas pessoas que parece fazer um tempão que a gente conhece, daquelas que não pedem licença e vão entrando. Por onde vai, Guga carrega a humildade, que aflora em todos os momentos. Ou melhor, não precisa aflorar, já está presente nas suas palavras, no seu sorriso, no seu jeito de ser. Ele é daqueles meninos que a gente fica torcendo para dar certo na vida, que adotamos sem nenhuma razão aparente, que pedimos

Ronaldo no Flu e Igor em outra dimensão (1998)

“Quando contava as façanhas do meu ídolo, absorto naquela figura que deu tantas emoções à nação corintiana, recebi a notícia da morte do meu amigo Igor Massi”

   Já estava na metade do artigo sobre Ronaldo, o grande goleiro corintiano, campeão paulista em 88, 95 e 97, brasileiro em 90 e da Copa do Brasil em 95. Titular por dez anos na mais difícil posição e no cl

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital