Últimas Publicações / Marcos Pena

Marcos Pena faleceu no dia 6 de abril de 2014, aos 85 anos

Ele foi presidente do Grêmio de Esportes Maringá em 1977, no ano do título estadual.

Glória isolada de um Grêmio de Maringá

“Naquela tarde de 2 de outubro de 1977, o torcedor maringaense comemorava o título sem imaginar que seria o último”

   Falta para o Grêmio no bico da grande área. A equipe maringaense está perdendo para o Coritiba por 1 a 0, no Couto Pereira, na decisão do Campeonato Paranaense de 1977. Itamar cobra a falta. Gol do Galo. Final: 1 a 1. Grêmio campeão. Naquela tarde de 2 de outubro de 1977, o torcedor maringaense comemorava o título sem imaginar que seria o último.

   Uma campanha histórica, ainda mais marcante porque quase nada aconteceu depois disso. Veio o vice de 81 e títulos da Intermediária. Mas, quem valoriza o vice? Ainda mais sendo o Londrina o campeão? E chegar em primeiro na segunda divisão não é motivo para comemorar. É obrigação.

   Quem não viu, perdeu, não verá jamais. O Galo tinha um time de primeira. Fazia frente para qualquer outro. Nilo e Celso eram dois excelentes zagueiros. O meio-campo era o ponto alto: Didi, Nivaldo e Ferreirinha. Didi era o craque, o maestro, o mestre. Foi o jogador mais habilidoso que eu vi vestindo a camisa do Grêmio. Nivaldo tinha uma canhota fortíssima e sabia fazer lançamentos como poucos. O franzino Ferreirinha era o pulmão da equipe. Corria e marcava por ele, pelo Didi e pelo Nivaldo.

   No ataque, o pontinha Freitas era veloz e atrevido. Não era de finalizar, mas era um ótimo puxador de contra-ataques e bom nos passes e cruzamentos. Itamar era o comandante da linha de frente, um emérito goleador. Bom de pé direito, esquerdo e pelo alto. No gol, Wagner fazia seus milagres. Assis, Albérico, Cleber, João Marques, Bernardo e Marquinhos eram os coadjuvantes: pouca inspiração, mas muita vontade. E Wilson Francisco Alves, o Capão, no comando.

   Um time que ficou na memória da torcida, que, naquela época, lotava o Willie Davids. O presidente Marcos Pena, tendo na retaguarda o prefeito João Paulino, contou com inúmeros companheiros na campanha. Um pessoal que arregaçava as mangas. A imprensa cobrava demais. Ela foi o fator decisivo para que a diretoria reforçasse o time na repescagem. Era um esquema imediatista e que acabou dando certo.

   Vários componentes positivos redundaram na conquista, mas, infelizmente, não houve planejamento. No entanto, aquela glória isolada do Grêmio de Esportes Maringá jamais será esquecida. “Se lembra quando a gente, chegou um dia a acreditar que tudo era pra sempre aem saber que o pra sempre sempre acaba. Mas nada vai conseguir mudar o que ficou...” (Renato Russo).

(Do livro de Antonio Roberto de Paula, “Da Minha Janela”, de 2003. Textos publicados no Jornal do Povo a partir de 1997)

...................................................................

O primeiro Presidente do Grêmio de Esportes Maringá foi Elnio Silveira Pohlmann, de 22 de dezembro 1975 a 22 dezembro 1976. Sucessor de Elnio: Mauro Carvalho Duarte, com mandato até dezembro de 1976. Sucessor de Mauro Duarte: Marcos Mauro Penna de Araújo Moreira que assumiu em 15 de janeiro de 1977, presidiu o Grêmio durante o ano de 1978, sendo reeleito em dezembro para o mandato de 1979, completando o terceiro mandato em dezembro de 1980. Março de 1980 assume Carlos Coelho até 4 de dezembro de 1985, quando Carlos Coelho se reelegeu para o segundo mandado. Em 4 de dezembro de 1985 Hugo Furlan assumiu a presidência após o Carlos Coelho ter renunciado e foi até 13 de dezembro de 1986, quando Odílio Ballbinotti foi eleito presidente. Balbinotti pediu o afastamento quando o vice-presidente Devanir Marion assumiu o clube em 20 de dezembro de 1986. Marion foi eleito presidente, tendo Valdomiro Meger como vice-presidente. Antonio Malvezzi foi eleito e presidiu o clube alvinegro a partir de 1992. Em seguida, assumiu Carlos Eduardo Sabóia Gomes, deixando o clube apara Nilton César Servo, que assumiu em março de 1993 indo até 1996.   Alve negro até dezembro de 1990. Valdomiro Aparecido de Oliveira assumiu o clube depois de Servo, em 09 de março de 1997 ficando no cargo atyé março de 2000. Osmar Braguim Gomes dirigiu, então, de março de 2000 até março de 2003, sendo substituído por Cláudio Soria Lopes. (Informações de Elnio Silveria Pohlmann)

 

Legenda – foto – Marcos Pena na revista placar, em 1977.

Legenda – foto - Os diretores do Grêmio Maringá de 1977, Carlos Coelho e Navarro Mansur, e o presidente do clube, Marcos Pena. O Galo do Norte foi campeão estadual naquele ano. Todos são falecidos.

Legenda - foto jornal o Diário do Norte do Paraná, 1977 - Marcos Pena assume o Grêmio de Esportes Maringá.

Legenda foto 1977 - Time do Grêmio de Esportes Maringá campeão paranaense de 1977.

Galeria de Fotos

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Paixão antiga pelo Tubarão

Carteirinha de 1984, de sócio do Londrina Esporte Clube, do nosso amigo do Museu Esportivo, Edson Luis Buranello. 

Uma caneca de 50 anos de história

Nosso amigo jornalista Sergio Mendes, apresentador do RIC Rural da Record ao lado da esposa Rose, esteve no Museu Esportivo. Ao ver as canecas antigas, se lembrou que quando era criança em Marumbi, no Vale do Ivaí, aconteceu a 1ª festa do chope da cidade. Pois encontramos no nosso acervo uma caneca daquela festa histórica ocorrida em 1969, que foi doada ao MEM pelo nosso amigo Orlando Villa, pioneiro marumbiense, grande colaborador. Sergio ficou emocionado ao voltar

Capa da Folha do Norte do Paraná, edição do dia 3 de setembro de 1977.

 Destaque para a tentativa dos políticos da época, apoiados pela grande maioria da imprensa, de mudar o nome do Estádio Willie Davids e do ginásio de esportes Chico Neto para Canetão e Canetinho, respectivamente, ou Canezão e Canezinho, para homenagear Jaime Canet Júnior (1925-2016), governador biônico do Paraná entre 15 de março de 1975 e 15 de março de 1979. Bem que tentaram.

#museuesportivodemaringa

Esporte Clube Operário Maringá 1968

Equipe do Esporte Clube Operário, de Maringá, 1968, que disputou a Taça Paraná daquele ano. Foto enviada pelo amigo do Museu Esportivo de Maringá, Luiz Antonio Capelato, que atuava naquela equipe. A escalação: Valdinei, Édson, João Paulo, Velson, Toniquinho, Hélio Pelosi e Iracy Mochi (presidente);.
agachados: massagista Bebê Johnson, Capelato, Tião, Pudim, Léo de Paula e Sapit

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital