Últimas Publicações / O poeta Armando Nogueira (1927-2010). Como faz falta na crônica esportiva...

México 70 - E as palavras, eu que vivo delas, onde estão? Onde estão as palavras para contar a vocês e a mim mesmo que Tostão está morrendo asfixiado nos braços da multidão em transe? Parece um linchamento: Tostão deitado na grama, cem mãos a saqueá-lo. Levam-lhe a camisa levam-lhe os calções. Sei que é total a alucinação nos quatro cantos do estádio, mas só tenho olhos para a cena insólita: há muito que arrancaram as chuteiras de Tostão. Só falta, agora, alguém tomar-lhe a sunga azul, derradeira peça sobre o corpo de um semi-deus. Mas, felizmente, a cautela e o sangue-frio vencem sempre: venceram, com o Brasil, o Mundial de 70, e venceram, também, na hora em que o desvario pretendia deixar Tostão completamente nu aos olhos de cem mil espectadores e de setecentos milhões de telespectadores do mundo inteiro. E lá se vai Tostão, correndo pelo campo afora, coberto de glórias, coberto de lágrimas, atropelado por uma pequena multidão. Essa gente, que está ali por amor, vai acabar sufocando Tostão. Se a polícia não entra em campo para protegê-lo, coitado dele. Coitado, também, de Pelé, pendurado em mil pescoços e com um sombrero imenso, nu da cintura para cima, carregado por todos os lados ao sabor da paixão coletiva. O campo do Azteca, nesse momento, é um manicômio: mexicanos e brasileiros, com bandeiras enormes, engalfinham-se num estranho esbanjamento de alegria. Agora, quase não posso ver o campo lá embaixo: chove papel colorido em todo o estádio. Esse estádio que foi feito para uma festa de final: sua arquitetura põe o povo dentro do campo, criando um clima de intimidade que o futebol, aqui, no Azteca, toma emprestado à corrida de touros. Cantemos, amigos, a fiesta brava, cantemos agora, mesmo em lágrimas, os derradeiros instantes do mais bonito Mundial que meus olhos jamais sonharam ver. Pela correção dos atletas, que jogaram trinta e duas partidas, sem uma só expulsão. Pelo respeito com que cerca de trezentos profissionais de futebol se enfrentaram, músculo a músculo, coração a coração, trocando camisas, trocando consolo, trocando destinos que hão de se encontrar, novamente, em Munique 74. Choremos a alegria de uma campanha admirável em que o Brasil fez futebol de fantasia, fazendo amigos. Fazendo irmãos em todos os continentes. Orgulha-me ver que o futebol, nossa vida, é o mais vibrante universo de paz que o homem é capaz de iluminar com uma bola, seu brinquedo fascinante. Trinta e duas batalhas, nenhuma baixa. Dezesseis países em luta ardente, durante vinte e um dias — ninguém morreu. Não há bandeiras de luto no mastro dos heróis do futebol. Por isso, recebam, amanhã, os heróis do Mundial de 70 com a ternura que acolhe em casa os meninos que voltam do pátio, onde brincavam. Perdoem-me o arrebatamento que me faz sonegar-lhes a análise fria do jogo. Mas final é assim mesmo: as táticas cedem vez aos rasgos do coração. Tenho uma vida profissional cheia de finais e, em nenhuma delas, falou-se de estratégias. Final é sublimação, final é pirâmide humana atrás do gol a delirar com a cabeçada de Pelé, com o chute de Gérson e com o gesto bravo de Jairzinho, levando nas pernas a bola do terceiro gol. Final é antes do jogo, depois do jogo — nunca durante o jogo. Que humanidade, senão a do esporte, seria capaz de construir, sobre a abstração de um gol, a cerimônia a que assisto, neste instante, querendo chorar, querendo gritar? Os campeões mundiais em volta olímpica, a beijar a tacinha, filha adotiva de todos nós, brasileiros? Ternamente, o capitão Carlos Alberto cola o corpinho dela no seu rosto fatigado: conquistou-a para sempre, conquistou-a por ti, adorável peladeiro do Aterro do Flamengo. A tacinha, agora, é tua, amiguinho, que mataste tantas aulas de junho para baixar, em espírito, no Jalisco de Guadalajara. Sorve nela, amiguinho, a glória de Pelé, que tem a fragrância da nossa infância. A taça de ouro é eternamente tua, amiguinho. Até que os deuses do futebol inventem outra.

 

Texto extraído do livro 'O melhor da crônica brasileira', José Olympio Editora – Rio de Janeiro, 1997, pág. 26.

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Nelson Conchon doa camisas, faixas e fotografias da década de 1980

Relíquias que contam a história do time da Peixaria Lagomar e da Retificadora Yokoyama foram entregues ao diretor do MEM, Antonio Roberto de Paula, com a presença do parceiro do Museu Esportivo, José Jaime Silvestre.

No dia 1º de fevereiro de 2020, o amigo Nelson Conchon, canhoto raçudo e habilidoso do futebol amador de Maringá nos anos 1970, 80 e 90 esteve no Museu Esportivo para doar camisas da equipe da Peixaria Lagomar e faixas de c

Uma camiseta infantil de 1978 dos Fragoso para o MEM

Camisa infantil do Grêmio de Esportes Maringá, de 1978, que o fotógrafo João Cláudio Fragoso usava quando tinha 1 ano de vida. O Gael, filho dele, também já usou. Agora, a relíquia de 40 anos está em um quadro numa das paredes do Museu Esportivo de Maringá. Obrigado, Fragoso! Vamos manter viva a história do esporte maringaense.

MEM recebe camisa da Sociedade Esportiva do Gama, do Distrito Federal, assinada pelos jogadores

O Museu Esportivo de Maringá tem agora no seu acervo uma camisa oficial da Sociedade Esportiva do Gama, clube fundado em 15 de novembro de 1975, da cidade de Gama, no Distrito Federal. Com autógrafos de jogadores, campeões brasilienses de 2019, a peça foi doada pelo amigo do MEM, Amarildo Fernandes, delegado da Polícia Civil de Brasília e que já residiu em Maringá.

Ele esteve no centro de treinamento do clube no dia 21 de dezem

Canecas antigas são doadas ao MEM por Júlio Fregadolli e Silvio César Crispim

Nossos amigos e colaboradores Júlio Fregadolli e seu genro Silvio César Crispim estiveram no Museu Esportivo de Maringá no dia 6 de abril de 2019 acompanhando a Oração dos Enfermos realizada pelo Padre Julinho e o sorteio da rifa da super-cesta da Páscoa em prol do amigo Custódio André Neto. Na ocasião, eles doaram ao MEM onze canecas antigas, a maioria de festas de chope dos anos 1960 e 1970 realizadas em Maringá, em Manda

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja

 (44) 3029-9674

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital