Últimas Publicações / 1966 - Bangu conquista o título carioca vencendo o Flamengo e Almir Pernambuquinho inicia uma das maiores brigas da história do futebol brasileiro

Texto e fotos do blog de Marco Túlio

http://marcotuliopaixoporfutebol.

blogspot.com/

Era uma tarde de domingo, 18 de dezembro de 1966, quando um fato extraordinário aconteceu, deixando suas imagens definitivamente na história do majestoso e sexagenário Maracanã.
Ali dipustava-se a final do Campeonato Carioca de Futebol, onde o Bangu A.C. ganhava o seu primeiro e único título no estádio(apesar de ter vencido o Torneio Início de 1950, efetivamente a primeira taça disputada no Maracanã entre clubes, mas não um campeonato regular), em cima do C.R. Flamengo.
O jogo indicaria o surpreendente placar de 3 x 0, gols de Ocimar e Aladim no primeiro tempo e Paulo Borges no segundo tempo, quando, logo após esse terceiro tento, o jogador Almir, inconformado com o dilatado placar, iniciou uma das maiores batalhas campais da história.
A briga iniciou-se após uma discussão entre o atacante banguense Ladeira e o zagueiro flamenguista Paulo Henrique, alguns jogadores foram separar o bate-boca e Almir foi botar fogo na briga.

Ubirajara, Ari Clemente, Luís Alberto e Ladeira(Bangu); Valdomiro, Itamar, Paulo Henrique, Almir e Silva(Flamengo). O jogo foi encerrado devido a falta de jogadores, mas nada que tirasse o título de Campeão Carioca de 1966 do time de Moça Bonita.

O memorável time do Bangu desse dia vinha a campo com:Ubirajara; Fidélis, Mario Tito, Luiz Alberto e Ari Clemente; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Cabralzinho, Ladeira e Aladim.

BANGU 3 x 0 FLAMENGO

Data: 18 de dezembro de 1966

Local: Maracanã - Rio de Janeiro

Público: 143.978 pagantes

Renda: Cr$ 222.553.510,00

Árbitro: Aírton Vieira de Morais

Gols

Bangu: Ocimar, aos 23', e Aladim, aos 26' do primeiro tempo. Paulo Borges, aos 3' da segunda etapa.

Bangu: Ubirajara; Fidélis, Mário Tito, Luiz Alberto e Ary Clemente; Jayme e Ocimar; Paulo Borges, Cabralzinho, Ladeira e Aladim - Técnico: Alfredo Gonzalez.

Flamengo: Valdomiro; Murilo, Jaime, Itamar e Paulo Henrique; Carlinhos e Nelsinho; Carlos Alberto, Almir, Silva ‘Batuta’ e Osvaldo “Ponte Aérea” - Técnico: Armando Renganeschi.

...............................................................................................

O texto abaixo é de Marcos Gaspar de www.alambrado.net: 

Em época de decisões nos campeonatos estaduais, sempre me lembro das histórias que meu pai me contava sobre Almir Morais de Albuquerque, o famoso Almir Pernambuquinho. Conhecido por ser um jogador de temperamento explosivo, o atacante parecia ter pré-disposição genética para se envolver em episódios de violência dentro dos gramados. Por conta de sua forte personalidade, ele protagonizou diversas polêmicas na carreira, tendo como destaque a batalha campal na decisão do Campeonato Carioca de 1966. O recifense havia chegado à Gávea em 1965. E foi no rubro-negro que o talentoso e controverso atleta escreveu o capítulo mais violento de seu livro, superando o da confusão generalizada entre as seleções de Brasil e Uruguai no Sul-Americano de 1959.

Em 18 de dezembro de 1966, o Flamengo, então atual campeão estadual, reeditou a última final contra o Bangu, que havia amargurado dois vice-campeonatos consecutivos. No dia anterior, Almir, provocador, deu um prelúdio do que viria a acontecer no Estádio do Maracanã, declarando que só uma volta olímpica era possível: a do Flamengo, óbvio. As equipes mediram forças diante de 143.978 torcedores, público recorde do torneio na época. Superior, o Bangu converteu dois gols em 30 minutos, com Ocimar e Aladim. Logo após o intervalo, Paulo Borges, que seria o artilheiro da competição com 16 tentos, ampliou a vantagem para os banguenses, que dominavam os flamenguistas. Atrás no placar e bastante desconfiado de que o goleiro do seu time e o árbitro teriam sido comprados pelo rival, Pernambuquinho decidiu, literalmente, acabar com o duelo. Aos 26 minutos da segunda etapa, Almir aproveitou uma discussão entre Ladeira, do Bangu, e Paulo Henrique, do Flamengo, para dar início à briga. E atingiu seu objetivo. Expulso, o destemido atacante estava se retirando do gramado quando deu meia-volta e correu em direção ao centro do campo para desencadear uma pancadaria antológica. Para delírio dos torcedores flamenguistas, que gritavam “por-ra-da”, houve um festival de pontapés, socos e voadoras. Almir desafiou quase o time inteiro do Bangu para a briga. Após inumeráveis agressões e xingamentos para ambos os lados, inclusive para radialistas, o explosivo jogador mantinha intacta sua, digamos, vocação para encrencas. Finalizada a confusão, o juiz expulsou nove homens, quatro alvirrubros e cinco rubro-negros. Como o mínimo permitido para um time é de sete atletas, o jogo foi encerrado. O Bangu, então, finalmente saiu da fila e faturou o segundo título carioca de sua história. No entanto, graças a Almir Pernambuquinho, não conseguiu dar a volta olímpica. Ele foi um habilidoso jogador que demonstrava excesso de vontade, é verdade. Muitas vezes, só é lembrado por seu comportamento agressivo, mas de maneira injusta.

A BATALHA DO RIO

Almir começou a carreira em 1956, no Sport do Recife. Depois,  atuou no Vasco da Gama (1957 a 1959) e no Corinthians (de 1960 a 1961), quando foi chamado de “Pelé Branco”. Em 1962, vestiu as cores do Boca Juniors-ARG. No mesmo ano, mudou-se para o Genoa, da Itália. Retornou ao Brasil na temporada posterior, quando foi contratado pelo Santos. No time da Vila Belmiro, foi campeão da Copa Libertadores, em 1963. No Intercontinental, ele substituiu Pelé, que estava machucado, em dois jogos contra o Milan, no Maracanã. Na primeira partida, na Itália, o time da casa venceu por 4 a 2. Na volta, no Rio de Janeiro, os visitantes abriram 2 a 0, porém o Santos devolveu o 4 a 2 nos últimos 45 minutos. Almir, inclusive, colaborou com um dos gols que forçou o terceiro duelo. E brilhou no encontro de desempate, outra vez em território carioca, mesmo sem balançar a rede. Ele já havia aplicado um carrinho memorável no compatriota Amarildo, que fez uma provocação sobre a ausência de Pelé, e também acertou o goleiro Luigi Balzarini. Na verdade, Balzarini havia se atirado em uma bola de maneira arriscada. Sem tirar o corpo da jogada, o recifense acertou a cabeça do arqueiro na dividida, fazendo-o sangrar. No entanto, a principal atitude do atacante brasileiro ocorreu no primeiro tempo do terceiro e decisivo confronto, em um ímpeto de coragem. Ou até mesmo de loucura. Almir viu Cesare Maldini levantar o pé para cortar um lançamento na área milanista e não teve dúvida: meteu a cabeça no meio do caminho, conquistando um pênalti valioso. Com a infração, Maldini foi expulso. Depois de minutos de protestos, Dalmo converteu a cobrança que garantiu o bicampeonato mundial ao time santista. Infelizmente, o sangue quente foi um dos fatores que colaboraram para abreviar a história de Almir. Em 6 de fevereiro de 1973, aos 35 anos, o ex-jogador, que ainda defendeu o América-RJ antes de se aposentar, foi assassinado. Ele discutiu com três portugueses que ofendiam um grupo de atores, no bar Rio-Jerez, em frente à Galeria Alaska, em Copacabana, no Rio de Janeiro. A confusão virou tiroteio. Então, uma bala acertou a cabeça de Almir e acabou por lhe tirar a vida.

Galeria de Fotos

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Frank Silva, nome histórico da comunicação

Frank Silva faleceu neste domingo (13.09.20), aos 78 anos.

(Capítulos do livro “O Jornal do Bispo - A História da Folha do Norte do Paraná”, escrito por Antonio Roberto de Paula em 2001)

“A Escola de Datilografia Triunph por ocasião da formatura de mais uma de suas turmas promovia no salão de festas do Aero Club movimentadíssima audição dançante ao som do conjunto de Ritmos Júnior&rdquo

Itamar Tagliari - Uma vida dedicada ao futsal paranaense

Texto da Liga de Futsal de Maringá -  Itamar Tagliari nasceu em Arapongas, em 1948. Mais tarde mudou-se com os pais para Campo Mourão. Ele e os irmãos tinham sede de bola e ainda na adolescentes cada um jogava em um time da cidade. Na hora do almoço brigas eram inevitáveis com cada qual defendendo sua equipe. A mãe, cansada das discussões, implorou por um único presente: queria que seus filhos jogassem juntos, no mesmo time. E isso

Assessor de imprensa do Maringá Futebol Clube doa agasalhos antigos do time ao MEM

Nosso amigo do Museu Esportivo de Maringá, Bruno Rodrigo Araújo, assessor de imprensa do MFC, fez a doação de um conjunto de agasalhos de 2017 e uma blusa de moletom do clube para o nosso acervo.

Parceiro desde o início do MEM, tendo sido responsável por viabilizar visitas de jogadores e dirigentes do MFC, além do craque do futsal Falcão e jogadores do free style, Rodrigo também doou um quadro com o convite do lanç

Tribuna da Massa na cobertura da exposição de Kaltoé no MEM

Clique aqui para assistir o vídeo

Tribuna da Massa na cobertura da exposição de Kaltoé no MEM

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital