Últimas Publicações / Aconteceu no dia 28 de fevereiro de 2024 - A vitória do Maringá Futebol Clube sobre o América de Minas Gerais na Copa do Brasil

Crônica de Antonio Roberto de Paula. 

 

Jogo emocionante pela Copa do Brasil na noite de ontem no estádio Willie Davids. O Maringá Futebol Clube precisava da vitória para passar de fase. Ao até então invicto América mineiro o empate lhe bastava. Time de série A em 2023 e B em 2024, com um elenco reforçado, o América jogou aberto na primeira etapa, buscou o gol. Mostrou personalidade, esquema tático bem definido com troca de passes desde a sua defesa em evolução até o terceiro terço do campo.

No segundo tempo um panorama diferente. Os mineiros foram recuando, recuando, recuando... O MFC, com seus três zagueiros, esquema que vem dando certo nos chamados 'jogos grandes' praticamente aboliu as preocupações defensivas, deixou grandes espaços no meio campo e partiu com destemor para o ataque, obrigando o excelente goleiro Dalberson a praticar grandes defesas, duas delas de pura coragem.

Um jogo franco, disputado palmo a palmo. Num lance da mais pura inconsequência, ainda no primeiro tempo, o guerreiro meio campista Rodrigo, do Maringá, exagerou na força e só não foi expulso porque o VAR não estava presente. Tudo poderia ter sido muito diferente. Mas cada jogo tem seu próprio caminho. E o caminho deste jogo era que no final haveria o brilho dos maringaenses.

Sem Serginho, o cara da criação do Maringá, aliás, a rigor, o único, o time teve que contar com as jogadas organizadas pelo lado direito com Marcos Vinicius, lateral, ponta, ala, de ótimos passes e cruzamentos, que tem o perfeito entendimento do jogo e da sua responsabilidade como líder. É de Serginho e, nesta partida em especial, de Marcos Vinicius que saem as principais jogadas ofensivas da equipe. A dependência destes dois é preocupante.

O lateral ainda faz jogadas de Perivaldo (os antigos entenderão), mas é visível seu desenvolvimento na posição, sendo líder em assistências num protagonismo que o torna, atualmente, sem sombra de dúvidas, o melhor lateral direito do futebol paranaense.

Muitas vezes, em determinado momento do jogo, o recuo de uma equipe é involuntário. Um time coloca o outro nas cordas. É uma pressão tão forte que a melhor medida a ser tomada, ou a única, é recuar para que a cidadela não caia. O trabalho em se defender é tamanho que não sobra fôlego para a contra-ofensiva.

O técnico do América, Cauan de Almeida, deve ter conversado com seus jogadores no intervalo pedindo maiores cuidados defensivos, apenas contra-atacar porque o Maringá iria com todas as suas forças para frente. Ele sabia que o técnico Castilho colocaria jogadores ofensivos porque viu claras possibilidades de sair vitorioso pelo desempenho do seu time na primeira etapa. E vencer era só o que restava. Ficar no banho-maria significava a morte.

O que se viu no segundo tempo foi o Maringá tomar conta do campo, avançar suas linhas, acuar o time mineiro, colecionar chances de gol. A bola já não era trabalhada por ninguém no meio campo.

Com jogadores corredores e descansados, o time maringaense pressionou, confiou que chegaria à marcação do gol salvador e sua torcida não arredou pé, acreditou até o último minuto do tempo regulamentar, até o último minuto dos acréscimos.

O plano tático já era secundário naquele cenário. A ordem era atacar, atacar, se expor. O América era um time rebatedor, que abandonou o contra-ataque, na verdade abriu mão do próprio jogo, procurando sobreviver, contando os minutos para sair do Willie Davids com a classificação. Um time bem diferente daquele que fez boas partidas este ano, que pratica o melhor futebol de Minas Gerais.

Sentindo que era possível, o Maringá continuou acreditando até que aconteceu a concretização de todo o empenho, o resultado de toda a luta: o gol libertador do zagueiro Vilar, o gol que fez justiça ao melhor time no gramado. Cruzamento perfeito de Marcos Vinicius, que lembrou Jorginho, Paulo Roberto, Zé Maria.

Fez-se justiça, palavra tão estranha quando o assunto é futebol (às vezes em outros assuntos também), mas, digamos, que houve o restabelecimento da ordem, houve a premiação para quem mais quis o resultado, quem mais se aventurou, quem mais coragem demonstrou.

Um gol para ecoar no estádio, nos bares e lares, ao vivo no Willie Davids, nas ondas do rádio, nas imagens da TV, no bate-papo, no bate-boca, eternamente na memória do torcedor. Depois Mirandinha, numa puxada de contra-ataque de Negueba, deu números finais, encerrando o belo capítulo na noite do dia 28 de fevereiro de 2024.

A explosão do torcedor que mistura alegria, orgulho, contentamento é um agradecimento a estes jogadores, mais valentes do que técnicos, do serviço pesado, que não vieram com cartaz mas que forjam sua arte a partir do esforço, do trabalho e na crença do possível. Eles estão pintando seu cartaz, fazendo história com as fortes cores da coragem e da emoção.

Um grupo abnegado que faz história, comandado por um treinador simples sem ser simplório, que sabe ler o jogo e conhece as potencialidades de cada um. A vida de Castilho é feita de dificuldades, ele conhece o caminho das pedras. E seus jogadores estão trilhando por este caminho.

O que virá a seguir não interessa no momento. Vamos, por enquanto, curtir tudo o que aconteceu na noite do dia 28 de fevereiro de 2024. Vamos curtir, compartilhar e comentar.

O dia a dia foi feito para a gente colocar as coisas no seu plano lógico. A labuta diária põe nossos pés no chão. Deixemos, só por hoje, que o lúdico e o mágico nos façam sonhar. Daqui a pouco começa tudo de novo com a imprevisibilidade sendo a nossa parceira. O Maringá vai construindo sua história, uma marcante história. E a gente segue admirando e agradecendo.

Crédito das fotos: Fernando Teramatsu (do Vilar) e Odair Figueredo. 

Galeria de Anexos

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

Zé Carlos Careca doa camisa do União Rondonópolis e ingresso da final que deu o título inédito ao clube 

José Carlos Cavalcante, que tem o apelido de Careca e foi jogador amador em Maringá, torcedor do São Paulo Futebol Clube e do União Esporte Clube, da cidade de Rondonópolis-MT, doou ao Museu Esportivo de Maringá uma camisa de 2010, do clube mato-grossense campeão estadual naquele ano, que foi autografada por três jogadores da equipe.
Na final, realizada no dia 28 de abril de 2010, em Rondonópolis, contra o Operário de

Dia 18 de junho de 2014, seis anos da morte de Américo da Silva Dias, o Ameriquinho, o Português, um dos grandes nomes da história do futsal de Maringá, pivô dos mais inteligentes. Nascido em 19 de abril de 1957, Américo faleceu aos 57 anos, está sepultado no Cemitério Municipal de Maringá. A data foi lembrada pelo amigo do MEM, o Pitico, amigo de infância do Português. Na foto dos anos 70, Pitico e Américo.

Camisa da Escolinha Marco Aurélio, assinada por Jairzinho, doada pela família Bergantini ao MEM

No dia 4 de janeiro de 2020, Marco Aurélio Saldanha Rocha, que foi goleiro do Flamengo, Athletico Paranaense e Bahia, esteve no Museu Esportivo de Maringá quando encontrou Carlos Henrique Bergantini, aluno da Escolinha Marco Aurélio nos anos 1990. A escolinha, localizada em Maringá, era dirigida por Marco Aurélio, que posteriormente foi trabalhar na Paraná Esportes, órgão do governo do estado, e na secretaria de esportes de Maringá

Paquito, o goleador do futebol paranaense que se destacou no União Bandeirante, Coritiba e Grêmio Maringá

Atacante Paquito, aos 21 anos, em 1965, ano em que começou a jogar no União Bandeirante, da cidade paranaense de Bandeirantes. Lá ele ficou até 1970. No ano seguinte foi brilhar no Coritiba onde permaneceu até 1973. Em 1974 jogou no Santa Cruz; em 1975 e 76 (ano em que foi artilheiro do Campeonato Paranaense com 25 gols) no Grêmio Maringá; em 1977 e 78 no Matsubara; em 1979 no Operário de Ponta Grossa; e em 1980 novamente no Matsubara, on

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja - Maringá - Paraná - Brasil

 (44) 99156-1957

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital