Últimas Publicações / Álbum com recortes de jornais e revistas do Grêmio Esportivo Maringá e Grêmio de Esportes Maringá doado ao MEM

Álbum com recortes de jornais e revistas do Grêmio Esportivo Maringá e Grêmio de Esportes Maringá doado ao MEM

O maringaense Varlei Lopes da Silva, 51 anos de idade, é um torcedor apaixonado pelo Grêmio Maringá. Menino ainda, morava na Vila Operária, próximo do Brinco da Vila, o local de treinamentos do Grêmio. Na década de 1980, o clube vivia uma grande fase. Tinha sido campeão paranaense em 1977 e, desde então, disputava o Estadual em iguais condições com os clubes da capital e com o Londrina, seu arquirrival. Participante do Campeonato Brasileiro, o Grêmio lotava o estádio Willie Davids quando enfrentava os clubes da elite nacional.
O garoto Varlei gostava de ir ao Brinco da Vila, assim como os meninos daquela época. Ficar frente a frente com jogadores que no domingo vestiam a camisa alvinegra para defender o time da cidade era uma honra, um orgulho. Varlei se lembra daqueles dias e chega a se arrepiar ao comentar episódios que ele gravou eternamente em sua memória. 'Não perdia um jogo no Willie Davids. O Grêmio foi e sempre será minha paixão', afirma.
Uma paixão que o levou, ainda menino, a recortar jornais e revistas sobre o Grêmio Esportivo Maringá e Grêmio de Esportes Maringá: reportagens, entrevistas, fotos de jogadores e pôsteres. Tudo organizado cronologicamente em um álbum de capa marrom. A história desses clubes é contada desde o primeiro título do futebol profissional de Maringá, em 1963. Ele conta que seu pai era motorista do IBC, o extinto Instituto Brasileiro do Café na década de 1980, e ele aproveitava folhas de relatórios antigos, já descartadas, para colar os recortes. 
O álbum, com informações até 2005, é acrescido com imagens de estádios de futebol no país e de distintivos de clubes brasileiros e do exterior. 
Na tarde de sexta-feira (12/01/19), Varlei visitou o Museu Esportivo de Maringá em companhia da esposa Luciana. Ele se impressionou ao ver quadros de fotos, camisas e flâmulas do seu clube de coração e, com saudades, se lembrou de histórias da sua época de garoto, dos grandes times do Galo do Norte e dos jogadores. 
Entre os muitos jogadores, ele se recorda do goleiro Rubens, que atuou no Galo na década de 1980, o 'Goleiro do Fantástico' em várias ocasiões, por conta de suas grandes defesas nos jogos de domingo. 'O Rubens sempre foi muito bacana com a molecada, até jogava bola com a gente. Pegava muito'. 
Varlei, que tem na memória nomes de muitos jogadores do Grêmio, inclusive daqueles de curta passagem e dos que não se destacaram, e também dos radialistas, decidiu doar o seu álbum de infância, portanto de grande valor afetivo, ao Museu Esportivo de Maringá. 'Estou fazendo a doação porque sei que o álbum vai ficar em boas mãos e muitas pessoas vão conhecer o passado do Grêmio, é a minha maneira de ajudar no resgate dessa história', disse Varlei.
O diretor do MEM, Antonio Roberto de Paula, agradeceu a doação e parabenizou Varlei que, por meio da paixão pelo Grêmio, produziu um trabalho histórico. 'O Varlei fez a doação de um importante material de resgate da história do futebol profissional de Maringá, o que muito valoriza nosso acervo, possibilitando um conhecimento maior daqueles tempos de glória dos dois clubes homônimos.' 
#museuesportivodemaringa
#amigosdomuseuesportivo

Galeria de Fotos

Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Enviar Comentário


Outras Publicações

A história do Clube Atlético Ferroviário, de Curitiba

Texto de Paulo Roberto Grani.

Foto do estádio Durival de Birto e Silva, em 1947, da coleção de Cid Destefani.

O futebol brasileiro deu seus primeiros passos ao lado das ferrovias. Em cada estação [de trem] tinha um campo de futebol, que era praticado pelos operários das ferrovias.

As ferrovias tinham uma importância social gigantesca. Por meio delas, o desenvolvimento chegava ao interior do Brasil e, de carona, o fu

Jorginho, craque do futsal, doa ao MEM quadros de fotografias antigas e revistas do Country Club de Maringá

Jorginho, craque do futsal, doa ao MEM quadros de fotografias antigas e revistas do Country Club de Maringá

Jorge inocente Soriano, o Jorginho, foi um dos melhores jogadores do futsal maringaense nos anos 1970 e 1980. Goleador de grande técnica, foi presença constante nos selecionados da cidade e nas principais equipes formadas ao longo daqueles anos.  Seu excelente desempenho nas quadras fez com que ficasse conhecido em todo o estado, o que o levou a ser c

Resultado do sorteio do 1° Bolão do MEM - brindes da Viapar
MEM recebe camisa do Sorriso Esporte Clube, do Mato Grosso

“Quilômetros de papel e rios de tinta imprimem o futebol ao longo dos anos, atravessando gerações. Na era digital, as Imagens avançam pelos céus, rompem todas as fronteiras. As vozes do amor ao futebol ecoam pelo grande campo que é o mundo. Agora, em algum lugar, alguém chuta uma bola. A paixão mais documentada da história não para. O jogo nunca termina.”

(Antonio Roberto de Paula)

 Rua Pioneiro Domingos Salgueiro, 1415- sobreloja

 (44) 3029-9674

Museu Esportivo © 2016 Todos os diretos reservados

Logo Ingá Digital